Londrina 2×2 Botafogo e as coincidências da bola

0
424
Ricardo Chicarelli

12 de agosto de 2003, returno da Série B daquele ano, Estádio do Café com bom público de 7900 pagantes. Empate entre o Londrina do então técnico Roberto Fernandes e o Botafogo de Levir Culpi na noite fria de uma terça-feira. Eu estava lá, tinha meus 14 anos, lembro-me bem de um Botafogo organizado, com um camisa 10 clássico chamado Valdo e um Camacho que preocupava demais o bom lateral londrinense Cassiano.

O placar final desse jogo de quase 18 anos atrás foi o mesmo da partida realizada ontem, 17, no mesmo Café, pela Série B de 2021. Um 2×2 com muita emoção, falhas e com um atacante do LEC que sempre foi muito questionado, empatando o jogo no final, vindo do banco de reservas. Em 2003 o gol de empate foi de Anderson Lobão, ontem foi a hora e vez de Júnior Pirambu.

Ao contrário de 2003, o jogo deste ano aconteceu no início do campeonato, Roberto Fonseca ainda busca sua formação ideal e não conquistou vitórias nessa que para muitos é a Série B mais difícil de todos os tempos. O LEC de Roberto Fernandes, olha só outra coincidência, o primeiro nome do antigo treinador também era Roberto, terminou o campeonato como décimo colocado, enquanto o Botafogo subiu como segundo, atrás apenas do Palmeiras de Vágner Love e companhia.

E o que tirar do jogo de ontem para que o Tubarão de hoje possa terminar o nacional melhor que o décimo lugar de 2003?

Tem que chutar, tem que respeitar menos os adversários, precisa se impor em casa. Os reforços que Fonseca pediu, Tárik, Mossoró, Orobó, Caprini, etc, precisam jogar. Jogar que eu digo é serem testados mesmo, à vera, como titulares.

E Pirambu? O gol e sua entrega mostrados durante o jogo também o credenciam como o novo camisa 9.

Boa sorte em Alagoas, Londrina, que essa primeira vitória venha no domingo contra o CSA, assim esperam seus torcedores fiéis e também desconfiados.

Parceiros

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here